APRENDA A CULTIVAR COGUMELOS: INTRODUÇÃO AO CULTIVO

Os processos que envolvem o cultivo do cogumelo são desconhecidos para a maioria das pessoas. Cultivar cogumelos é muito diferente de cultivar plantas em um jardim, os processos são totalmente diferentes. Aprender a cultivar cogumelos pode parecer um pouco complicado para quem está começando. É preciso ler bastante sobre o assunto, fazer cursos, pesquisar muito na internet e infelizmente existe pouco material em português. Existem muitas técnicas para aprender e diversos equipamentos para comprar, o que pode tornar um pouco difícil escolher por onde começar. Apesar disso ser totalmente verdadeiro, ainda assim uma pessoa inexperiente pode se aventurar no cultivo de cogumelos sem investir muito em equipamento ou cursos caros. Para fazer os cogumelos nascerem o cultivador não necessariamente precisa dominar todas as técnicas avançadas de produção. 

Fluxograma da produção de cogumelos 

Uma das partes mais complicadas do cultivo é aprender a fabricar sua própria "semente". "Semente" (ou "spawn", em inglês) é um termo usado no Brasil pelos fungicultores para chamar o inóculo feito em grãos ou serragem, que consiste em grãos de cereais ou serragem "mofadas" com o fungo que você deseja cultivar. É a "semente" que você irá usar para "semear" o seu substrato. Você precisará de uma panela de pressão ou de uma autoclave, de um fornecedor de grãos, de panelas para preparar o grão, culturas do cogumelo e um ambiente estéril para transferir sua cultura para os grãos esterilizados. É um trabalho que compensa, porém não é uma tarefa fácil. 
Você pode pular toda essa etapa de fabricação comprando a sua própria "semente" aqui no nosso site. Nós enviaremos uma "semente" pronta para o uso, você só precisará inocular o seu substrato usando alguma das diversas técnicas existentes (ensinaremos algumas aqui no site), aguardar a colonização e colher os cogumelos. Existem diversas formas de cultivar cogumelos, muitas técnicas são usadas no mundo todo, mas todas elas basicamente consistem em:  

1) Cultivar o fungo escolhido em uma placa de petri com meio de cultura


Essa etapa envolve a introdução de esporos, pedaço de cultura ou amostra de um cogumelo em uma espécie de gelatina nutritiva. Essa parte precisa ser feita em um ambiente totalmente limpo, livre de contaminações ("glovebox", fluxo laminar, etc) para que esporos de bactérias e fungos não caiam na placa de petri, competindo com a cultura que você introduziu ali, inviabilizando a mesma. 

Placa de petri com meio de cultura colonizada com o micélio
Transferência de micélio para outra placa

2) Transferir um pedaço do micélio saudável para grãos esterilizados


Novamente, essa etapa precisa ser feita em um ambiente limpo, livre de contaminações. Basta cortar um pedaço da gelatina nutritiva contendo o seu fungo e transferir o pedaço para um frasco contendo grãos esterilizados. Também é possível usar uma seringa de cultura líquida, que nada mais é do que um líquido contendo micélio, bastando injetar cerca de 1ml por frasco. O fungo vai colonizar todos os grãos depois de um tempo e tomar conta de todo o frasco. 
 

 

3) Expandir o micélio em grãos exponencialmente para fabricar a "semente" (spawn)


Pedaços de grãos colonizados podem ser utilizados para inocular diversos outros frascos contendo grãos estéreis, aumentando exponencialmente o volume de "semente". Um frasco com grãos colonizados pode inocular outros 10 ou mais frascos com grãos estéreis. ​Um fato incrível do cultivo de cogumelos é a habilidade do fungo crescer exponencialmente sua massa, atingindo milhares de vezes a massa original. Por exemplo, um pedaço de meio de cultura do tamanho de uma moeda de 5 centavos pode colonizar um pote de 1 litro cheio de grãos esterilizados. Um pode com 1 litro de grãos colonizados pode ser usado pra colonizar mais de 10 potes ou sacos contendo grãos esterilizados. Esses 10 podem ser usados para colonizar outros 100, que podem ser usados para colonizar mil potes ou sacos! É disso que se trata o cultivo de cogumelos, esse é o "segredo": Aumentar exponencialmente a biomassa do fungo através de diversas técnicas a fim de se chegar no resultado final, o cogumelo.

Micélio crescendo em grãos de trigo esterilizados (3 dias)
7 dias de colonização do micélio nos grãos de trigo
Sala de incubação das sementes da empresa Fungicultura

 

4) Inoculação do grão no substrato final 


Uma vez que você consiga uma quantidade suficiente de grãos colonizados, chamados de "semente" aqui no Brasil pelos cultivadores, ou "spawn" em inglês, os grãos podem ser utilizados para inocular o substrato final, onde os cogumelos irão se desenvolver. O tipo do substrato depende da espécie de cogumelo que você irá cultivar. A maioria dos substratos são feitos de palhas, serragens e resíduos agrícolas, suplementados com farelos. Dependendo do tipo de substrato ele deve ser pasteurizado ou esterilizado antes de poder receber a "semente". 

5) Incubação


Uma vez que o substrato é inoculado, começa a fase de colonização, onde o fungo vai crescer e tomar conta de todo o substrato a procura de nutrientes. Quando o micélio coloniza todo o substrato ele estará pronto para produzir os cogumelos.

Inoculação da "semente" no substrato final a base de serragem
Sala de incubação dos blocos de serragem inoculados com a "semente"

 

6) Indução do crescimento dos cogumelos (frutificação)


Para que os cogumelos comecem a surgir é preciso alterar alguns parâmetros no cultivo, colocando os blocos de substrato colonizado no ambiente de frutificação. Esse ambiente deve favorecer o crescimento dos cogumelos, sendo a temperatura, umidade, luz e concentração de gás carbônico fatores fundamentais a serem controlados, e tais parâmetros variam de acordo com a espécie cultivada. Por exemplo, a temperatura de colonização de algumas espécies de cogumelos é de 25'C. Uma vez colonizado, o substrato é colocado no ambiente de frutificação adequado para tal espécie, e a temperatura para essa espécie é, por exemplo, 20'C. Essa mudança de temperatura é fundamental em algumas espécies, sem ela o substrato não produzirá os cogumelos. 

Começo da frutificação de Pleurotus columbinus

7) Desenvolvimento e colheita dos cogumelos


Após expor o substrato colonizado no ambiente de frutificação, inúmeros primórdios (início da formação dos cogumelos) começarão a se desenvolver, drenando água e nutrientes do substrato rapidamente e transformando-os em cogumelos totalmente desenvolvidos depois de alguns dias. Após o desenvolvimento os cogumelos podem ser colhidos e, dependendo da espécie de cogumelo, o substrato pode ser irrigado e novos cogumelos surgirão dentro de poucos dias. Algumas espécies permitem dois ou três fluxos de colheita por bloco de substrato colonizado.

Pleurotus eryngii se desenvolvendo

Esse foi um apanhado geral de como funciona o cultivo de cogumelos, a seguir iremos detalhar um pouco mais cada parte do processo. O conteúdo é bem complexo mas estará tudo compilado em breve aqui no nosso site. Essa primeira parte é introdutória, minha intenção é esclarecer de forma bem abrangente como funciona o cultivo e a produção e cogumelos comestíveis. Nas próximas páginas os processos do cultivo serão muito mais aprofundados. Muitas das informações a respeito do cultivo de cogumelos no Brasil estão desatualizadas, e o material apresentado aqui é um compilado de anos de experiência cultivando cogumelos, informações de livros e sites estrangeiros, artigos científicos, blogs e fóruns. Espero conseguir ensiná-los da melhor forma possível, sempre frisando que meus métodos não são os "mais corretos", apenas só mais uma forma de cultivá-los, dentre dezenas de técnicas diferentes. Cada produtor tem suas próprias técnicas e seus processos de cultivo, nenhuma delas é melhor ou pior. Cada técnica é adaptada a realidade de cada produtor, porém todas seguem basicamente o mesmo padrão descrito acima. 

Dúvidas frequentes de cultivadores iniciantes

Que tipo de cogumelo cultivar?


Para escolher corretamente o tipo de cogumelo que você vai cultivar, primeiro você deverá estudar sobre o clima em que ele cresce, qual tipo de substrato ele se desenvolve melhor, dentre outras coisas. Algumas espécies são bem mais fáceis de cultivar, como o Pleurotus djamor, Pleurotus ostreatus, Pleurotus columbinus, Pleurotus pulmonarius, e essas são as mais indicadas para quem está começando. Aqui no site você encontra informações detalhadas a respeito do cultivo de algumas espécies. Lembrando que esse site está em construção e muita informação ainda será adicionada nos próximos meses, então caso tenha alguma dúvida ou sugestão favor enviar para fungicultura@outlook.com Existem diversas espécies incríveis para cultivar, mas não tome essa decisão tão cedo. Você precisa levar em consideração muitas outras coisas antes disso.
Primeiro você deve decidir se vai cultivar apenas uma espécie ou várias, e existem vantagens e desvantagens em ambas as opções. Cultivar apenas um tipo de cogumelo significa que você terá menos complicações para lidar durante a fabricação de sementes, inoculação do composto e o tempo do ciclo de produção da espécie. Espécies diferentes podem ter tempos diferentes de colonização, colheita, o que pode aumentar o trabalho durante o cultivo, porém ter uma variedade maior de cogumelos para vender pode ser benéfico para o seu negócio. Você também deverá considerar que diferentes cogumelos possuem diferentes tempos de prateleira (tempo que o produto dura embalado antes de vencer). Além disso cada cogumelo tem a sua aceitabilidade no mercado e a demanda e preço por cada um deles varia muito. 


Como é uma "fábrica" de cogumelos?


Como já dito acima, isso tudo depende de que parte do processo o cultivador pretende iniciar. Para aqueles que desejam comprar a "semente" pronta, o laboratório é desnecessário. Para quem pretende comprar o substrato inoculado, pronto para frutificar, a área de preparação do substrato (formulação, mistura, ensacamento, pasteurização/esterilização) é desnecessária.  

Cultivar cogumelos desde o começo é um processo complexo e necessita que muitas coisas sejam feitas de maneira coordenada para que se atinga um resultado previsível e positivo. 
Para simplificar, dividirei uma produção de cogumelos em 4 partes básicas:


1) O laboratório


É aqui onde tudo começa, e normalmente é a parte mais difícil do processo de cultivo de cogumelos. Para quem está iniciando, dominar as técnicas de laboratório necessárias para o cultivo de cogumelos requer anos de estudo e prática. Normalmente esse trabalho é realizado por um biólogo ou alguém acostumado a trabalhar em laboratórios. O micélio do fungo precisa de um substrato úmido e nutritivo para crescer, normalmente esse passo é feito em placas de petri contendo meio de cultura e grãos, ambos estéreis. Infelizmente tanto o meio de cultura quando os grãos são ambientes ideais para o crescimento de bactérias e fungos competidores. Caso esses contaminantes caiam dentro do meio de cultura e dos grãos, irão contaminar seu material. O cultivador precisa necessariamente de um "espaço limpo" para poder propagar as culturas dos cogumelos, e esse espaço é o laboratório. 
 

O laboratório deve ser uma área isolada do resto da operação de cultivo. Precisa ter o chão e paredes lisas, feitas de azulejo, tinta epoxy ou qualquer outro material que seja de fácil limpeza com cloro ou outros desinfetantes. Evite PVC e materiais plásticos pois esses em contato com a luz UVC podem degradar e liberar compostos tóxicos para quem estiver respirando dentro do laboratório. Deve-se evitar ao máximo objetos desnecessários, quanto mais superfícies no laboratório mais poeira acumulada e mais trabalho durante a limpeza. A mesa de trabalho também deverá ser feita com um material fácil de limpar, evite ao máximo o uso de materiais feitos de madeira dentro do laboratório. 
O responsável pelo laboratório deve trabalhar de roupas limpas, calçados limpos, banho tomado, usando máscara e luva. Uma boa higiene é fundamental. É muito mais fácil evitar que contaminações entrem no laboratório do que removê-las após uma infestação, então todo cuidado é pouco. 
A parte fundamental de um laboratório é uma câmara de fluxo laminar. Para quem não conhece, essa máquina é basicamente uma caixa contendo um exaustor potente que força o ar através de um filtro absoluto, conhecido como HEPA, do inglês "High Efficiency Particulate Arrestance", que filtra o ar e cria um ambiente livre de contaminações na frente dele. Esse "espaço limpo" criado pelo fluxo laminar permite que o cultivador trabalhe com materiais esterilizados, como placas de petri com meio de cultura e grãos, sem o risco de contaminação. 

Se você não possui dinheiro para investir em uma câmara de fluxo laminar ou se não possui um cômodo para adaptar e transformar em um laboratório, é possível também montar outros tipos de sistemas que proporcionam uma área livre (ou quase) de contaminações e manter os níveis de sucesso nessa etapa em uma faixa aceitável. 
Outra forma bem mais barata de se conseguir um ambiente livre de contaminações é montando uma "glovebox", ou SAB (do inglês "still air box"). Explicarei como construir uma "glovebox" nos próximos tópicos, mas resumindo, trata-se de uma caixa plástica onde você coloca todo o seu material esterilizado, junto com as suas culturas e um spray contendo álcool 70. Essa caixa possui 2 buracos, por onde você coloca a sua mão usando luvas, limpa todo o interior e o conteúdo da caixa (incluindo suas luvas) e após alguns minutos o ambiente criado estará livre (ou quase) de contaminações. O ar parado da caixa faz com que os esporos caiam para o fundo dela pela ação da gravidade e morrem no álcool.

Esse processo não é tão simples, existem técnicas para se utilizar uma "glovebox" e eu explicarei detalhadamente em um outro tópico. Atente-se ao uso do álcool pois acidentes no laboratório são bem comuns com pessoas inexperientes. O uso da glovebox é OK para trabalhos com meio de cultivo em pequena escala, fabricação de "semente" em pequena escala, porém para trabalhar com blocos de serragem suplementada ou sacos grandes de grãos se torna um trabalho difícil. O uso da "glovebox" é uma alternativa ótima para produtores que desejam começar uma produção de cogumelos em pequena escala, mas tenha em mente que uma taxa de contaminação pequena é sempre esperada. 

 

O laboratório é necessário para se produzir cogumelos? NÃO!

Como já dito acima, é possível colher cogumelos sem sequer passar por esses processos mais delicados adquirindo a "semente" pronta aqui no nosso site. Comprar a "semente" pronta é uma escolha razoável para quem quer apenas começar logo uma produção, sem precisar aprender a trabalhar com meio de cultura, esterilização de grãos ou trabalhar em frente a uma câmara de fluxo laminar ou "glovebox". Para isso basta comprar a "semente" e inoculá-la em substratos tratados (pasteurização ou esterilização). Falarei um pouco mais sobre os substratos em outro tópico. 

Sala de incubação das sementes da nossa empresa

Existem algumas vantagens em possuir sua própria micoteca (coleção de fungos) e fabricar sua própria semente. Além de desenvolver habilidades valiosas sobre técnicas laboratoriais, o cultivador entenderá melhor o ciclo de vida e o desenvolvimento das suas próprias culturas. Além disso fabricar sua própria semente é mais barato do que comprá-la pronta, portanto o cultivador deverá por na balança e decidir qual opção é mais adequada. Se você está começando no ramo agora, o mais adequado é adquirir uma "semente" pronta, pois os riscos de uma frustração são menores. 

2) A área de preparação (área suja)

É aqui onde a bagunça começa. Essa área deve ser relativamente limpa, mas nem de longe necessita do nível de limpeza que o laboratório exige. Podem ser usadas áreas abertas, garagens ou algo do tipo para essa parte. Algumas coisas acontecem na área de preparação, dependendo de qual método você utilizará na sua produção de cogumelos. 

Se você está fabricando sua própria "semente", a área de preparação é o local onde você vai preparar os grãos antes de serem esterilizados.

Grãos de trigo esfriando após cozimento

Você precisará ferver os grãos por determinado tempo e quando atingirem o ponto correto devem ser colocados em peneiras para que escorram e esfriem. Quando esfria o grão está pronto para ser colocado em potes ou sacos próprios para esterilização, e então devem ser esterilizados. Portanto para essa atividade, a área de preparação deve possuir fogareiros, panelas grandes, botijões de gás, escorredores e outros ítens, além de contar com energia elétrica e tubulação para água e esgoto. A área de preparação também pode abrigar o estoque de materiais. É na área de preparação que os blocos com substrato final são formulados e ensacados.

Se você pretende cultivar cogumelos usando serragem, é nessa área onde você misturará a serragem com os farelos e corretores de pH. Após a mistura o substrato deve ser umedecido e colocado dentro de sacos resistentes ao calor, para que depois sigam para a esterilização.
Caso você utilize palhas como base para formulação do seu substrato, a área de preparação é fundamental. Palha faz muita sujeira, e não é legal lidar com ela dentro de uma casa, por exemplo. Na área de preparação você pode pasteurizar grandes quantidades de palha usando um tambor de ferro de 200 litros e um queimador de alta pressão. Tenha em mente que esse processo precisa ser feito em uma área ventilada. Na área de preparação você precia ter uma mesa grande e limpa para espalhar a palha depois da pasteurização para que ela esfrie bem rápido. Após o resfriamento, a "semente" é espalhada por cima da palha, misturada e então ensacada, pronta para ir para a sala de incubaçao.
Trabalhar com substratos a base de palha e com substratos a base de serragem são coisas bem diferentes, os processos serão detalhados mais adiante. 

3) Sala de frutificação (Estufa)

É na sala de frutificação onde a mágica acontece. O trabalho duro do cultivador finalmente é recompensado com belas colheitas de cogumelos. A sala de frutificação pode variar muito de tamanho, e deve ser escolhida de acordo com a quantidade de cogumelos que você deseja produzir, espaço disponível, investimento, etc. Após algum tempo de prática no cultivo de cogumelos o cultivador conseguirá saber o tamanho da sala necessária para produzir a quantidade de cogumelos desejada. 
É com base no tipo de cultivo e na espécie que o cultivador pretende cultivar que ele irá escolher como serão as estruturas que receberão os blocos de substrato colonizados. Certifique-se de que o material usado para fazer as prateleiras seja resistente a decomposição. Deve-se evitar usar madeira pois eventualmente ela embolora se não for tratada adequadamente. Segue abaixo alguns exemplos de salas de frutificação.

A sala de frutificação fornecerá todos os parâmetros ideias para o cultivo dos seus cogumelos. Esses parâmetros variam de acordo com a espécie escolhida, estágio de desenvolvimento dos cogumelos, entre outras coisas. Basicamente os parâmetros a serem controlados são: Temperatura, umidade e nível de CO2.
A temperatura é muito importante e precisa ser controlada para um cultivo bem sucedido, seja utilizando aquecedores ou ar condicionado ou

acompanhando as estações do ano, aproveitando o clima natural. Cogumelos como o Pleurotus djamor e Pleurotus citrinopileatus gostam mais de um clima quente, enquanto que outros (se não a maioria dos comestíveis) preferem um clima mais ameno. Além disso dentro de uma mesma espécie é possível existir cepas com preferências de temperatura diferentes. Existem Pleurotus ostreatus que preferem climas mais frios e outros climas mais quentes, por exemplo.

O nível de gás carbônico (CO2) deve ser controlado fazendo trocas do ar da sala de frutificação utilizando exaustores ou então permitindo que correntes naturais de ar passem pela sala através de aberturas em locais estratégicos com telas de proteção contra entrada de insetos. O cogumelo libera gás carbônico como subproduto de seu metabolismo, e caso esse CO2 não seja removido da sala, o micélio perde seu vigor e abre brecha para contaminações. Além disso níveis elevados de CO2 acarretam em baixa produtividade, cogumelos deformados e desproporcionais. Cada espécie tem sua preferência em relação aos níveis de CO2, por isso a escolha do exaustor e dos métodos de ventilação deve ser feita com base na espécie e no tamanho da sala. Alguns produtores manipulam os níveis de CO2 para obter resultados diferenciados na aparência ou peso dos cogumelos. Por exemplo, no cultivo de Ganoderma lucidum quando se mantém níveis mais elevados de CO2 o cogumelo nasce em formato de colunas, o que dependendo do tamanho ou disposição da sala de frutificação é mais interessante. Quando os níveis de CO2 são baixos o Ganoderma nasce em formato de orelha-de-pau.

A umidade é controlada de algumas maneiras, normalmente com uso de microaspersores ou umidificadores de ar. É talvez o fator mais crítico no cultivo de cogumelos. Como precisamos trocar o ar da sala de frutificação muitas vezes, a umidade acaba sendo perdida, por isso precisa ser reposta constantemente, caso contrário os cogumelos não vão se desenvolver corretamente. Se a umidade está muito elevada, por outro lado, ocorrem contaminações com bactérias e fungos. Apesar no nível de umidade variar de espécie pra espécie, a faixa ideal de umidade relativa para a maioria dos cogumelos é de 80 a 95%. 

O nível de limpeza de uma sala de frutificação precisa ser elevado, mas nem se compara com o nível de limpeza do laboratório. Geralmente uma sala de frutificação precisa ter chão e paredes facilmente laváveis com detergente e soluções com cloro. É importante mencionar novamente que é muito mais fácil evitar contaminações do que lutar contra elas depois que se instauram. Se qualquer contaminação for vista em algum bloco de substrato dentro da sala de frutificação, o mesmo deve ser descartado imediatamente para que não se espalhe. Essa dica é preciosa, porém muitos cultivadores tem medo de descartar um bloco e perder dinheiro descartando alguns blocos. O acúmulo de esporos de micro-organismos competidores no ambiente devido a falta de atenção na limpeza ou manejo dos blocos torna cada vez mais difícil o cultivo livre de contaminações. Isso torna as limpezas cada vez mais pesadas e com produtos químicos mais agressivos a saúde do trabalhador. 

Independente de ser uma caixa organizadora, geladeira velha, banheiro desativado, sala feita de lona, quarto no apartamento adaptado para cultivo, estufa rústica "outdoor" ou galpão climatizado, todos os tipos de câmaras de frutificação devem ter esses parâmetros controlados para que os cogumelos nasçam saudáveis e livres de contaminação. 

Além desses parâmetros deve-se prestar muita atenção com a proliferação de insetos, pois esses botam ovos no substrato e suas larvas causam prejuízo na colheita. Além disso algumas espécies de insetos comuns em cultivos de cogumelos trazem consigo esporos de fungos competidores, que podem se espalhar pelos blocos de composto e infestar a sala de cultivo. Existem armadilhas disponíveis no mercado e algumas podem até ser feitas de forma caseira. Mais detalhes sobre problemas no cultivo, pragas e insetos em outro tópico. 

4) Área de pós colheita

A área pós colheita, ou área de processamento, é o local onde os cogumelos são limpos, pesados e embalados. Os cogumelos podem ser vendidos frescos, desidratados, em conserva, defumados, etc. A maioria dos vendedores comercializam seus cogumelos frescos, e normalmente são embalados em bandejas de isopor revestidas com filme de PVC. Cogumelos frescos tem prazo de validade curto, variando de 3 a 15 dias em média, dependendo da espécie, do teor de umidade do cogumelo, da temperatura de armazenamento e transporte, dentre outros fatores. Assim como frutas e vegetais, os cogumelos, mesmo após a colheita, continuam com seu metabolismo ativo. Isso se deve ao fato de suas células permanecerem vivas mesmo após a colheita, o que resulta em mudanças na qualidade do produto e reduzem o valor nutricional e comercial com o passar do tempo. 

O resfriamento dos cogumelos colhidos resulta na diminuição dos processos metabólicos das células, o que torna a degradação mais demorada pois atrasa o rompimento das células, reduzem a oxidação, dentre outros fatores químicos. Além disso temperaturas mais baixas reduzem o crescimento de micro-organismos que deterioram os cogumelos. A temperatura ideal para estocar os cogumelos é de 2 a 4'C, com umidade variando entre 80 e 95%. 

Já a desidratação consiste em remover a umidade presente nos cogumelos, o que permite sua estocagem por períodos mais longos (1 ano) sem perder as suas propriedades medicinais e nutricionais. É possível secar os cogumelos com um desidratador solar, ou usando ar quente forçado ou ainda por liofilização. Quando são desidratados ao sol, os cogumelos são dispostos em uma tela e a secagem ocorre em aproximadamente 2 a 4 dias, dependendo das condições climáticas. Durante a desidratação o cogumelo reduz seu tamanho consideravelmente. Uma vantagem do uso da luz solar para desidratar os cogumelos é que o teor de vitamina D aumenta bastante, pois a incidência de luz ultravioleta no cogumelo converte o ergosterol em vitamina D. Uma desvantagem da desidratação ao sol é que a aparência, cor e sabor são mais alterados que os cogumelos desidratados com ar quente forçado. Alguns países, como a Austrália, proíbem a importação de cogumelos secos ao sol. Além de proporcionar um produto melhor acabado, a desidratação por ar quente forçado resulta num produto de melhor qualidade sanitária, visual e nutricional. Para aumentar a produção de vitamina D durante a secagem industrial por ar forçado é possível introduzir luz UV artificial. 

Outro processo de conservação dos cogumelos é a liofilização, que consiste em um congelamento a temperaturas de -20'C em um recipiente hermético. A desidratação é realizada por sublimação, onde a água congelada do cogumelo passa para o estado gasoso sem transitar pelo estado líquido. Esse processo consiste num aumento lento e gradual da temperatura sob condições de vácuo por 10 a 20 horas, sendo a perda de umidade próxima aos 95%. A aparência dos cogumelos é muito parecida ao cogumelo fresco, e para reidratar o cogumelo basta mergulhá-lo em água morna por alguns minutos. O sabor do cogumelo fica muito próximo ao sabor original do cogumelo fresco, porém esse processo é caro devido ao valor dos equipamentos e energia usada. 

Diferentes formatos de cogumelos Ganoderma lucidum relacionados aos níveis de CO2
<       >