APRENDA A CULTIVAR COGUMELOS: FRUTIFICAÇÃO

O cultivo de cogumelos era originalmente uma atividade que dependia muito das condições climáticas para dar certo. O substrato era preparado e semeado de acordo com a estação do ano correta, quando as condições de temperatura e umidade estavam favoráveis. Isso ocorre até hoje com pequenos produtores de shiitake e algumas espécies de Pleurotus. As primeiras tentativas de cultivo de cogumelos “indoor” foram feitas na França, durante o século XVIII.

Os cultivadores de cogumelos do gênero Agaricus, conhecidos como champignon de paris, encontraram em cavernas francesas o ambiente ideal para crescer, com temperatura e umidade corretas. Diversos tipos de locais podem ser adaptados para o cultivo de cogumelos, como por exemplo porões, garagens, silos, salas, contêiners, cavernas, estruturas de alvenaria, hangares, etc.

Em geral, estruturas desenhadas e planejadas para cultivo de cogumelo possuem diversas vantagens em relação a estruturas adaptadas para o cultivo. Para um micro produtor, ou seja, aquele que deseja produzir para o consumo próprio, até mesmo uma caixa plástica pode servir como câmara de frutificação, sendo possível cultivar diversos tipos de cogumelos comestíveis e medicinais. A escala da câmara de frutificação deve ser feita de acordo com as necessidades do produtor, podendo variar desde uma caixa plástica de 40 litros até uma estufa de vários metros quadrados. As câmaras de frutificação têm como objetivo

manter os parâmetros corretos de cultivo, como por exemplo umidade, temperatura e trocas de ar. Cada espécie de cogumelo possui seus próprios parâmetros ideais, por isso o cultivador deve ficar atento na hora de projetar a estrutura que irá receber o substrato colonizado. O guia a seguir servirá como base de informação para o desenho e o planejamento correto de uma câmara, estufa ou sala de frutificação.

Cultivo em micro escala (consumo pessoal)

A começar pelo micro produtor, ou seja, aquele que deseja produzir cogumelos para consumo próprio em uma escala bem reduzida, ou para os aventureiros que desejam experimentar o cultivo pela primeira vez sem grandes investimentos, o menor tipo de câmara de frutificação é conhecida como Monotub. O monotub consiste basicamente em uma caixa organizadora transparente ou baldes contendo furos nas laterais. A caixa serve como uma estufa, mantendo a umidade ideal, e os furos são os locais por onde ocorrerá as trocas de ar.

Como vimos no capítulo “Introdução ao cultivo”, o micélio dos cogumelos produz muito CO2 graças aos seus processos metabólicos. Esse CO2 precisa ser expulso na câmara de frutificação, dando lugar ao ar fresco que entra pelos furos. Em uma câmara como o Monotub, essas trocas de ar ocorrem de maneira passiva devido ao tamanho reduzido. O micélio produz calor (termogênese), aquecendo o ar acima do bloco. Quando o ar é aquecido, ele se torna menos denso que o ar frio e sobe. Como consequência, o ar frio desce, e esse movimento faz com que o ar interno se misture com o ar externo ao passar perto dos buracos do Monotub. Além disso, pequenas correntes de ar que existem no local onde se encontra essa caixa ajudam nessa troca de ar. Com isso, as taxas de CO2 de dentro do Monotub ficam dentro da faixa ideal para cultivo do cogumelo. Pequenos ajustem devem ser feitos como tamanho e quantidade dos furos para se obter um equilíbrio correto. Esses ajustem devem ser feitos de acordo com a observação o cultivador perante os resultados do cultivo anterior. A cada lote de produção pequenos ajustes devem ser feitos para maximizar os resultados.

Os furos do Monotub podem ser cobertos com materiais porosos e que permitam a troca de ar, como algodão, manta acrílica, micropore e muitos outros materiais. Isso impede a entrada de insetos e ácaros, desejáveis no cultivo de cogumelos por trazerem diversas contaminações. O cultivador não deve tapar esses furos de modo a impedir a passagem correta de ar, com medo de contaminações do ar como esporos de fungos e bactérias. Esporos de fungos e bactérias JÁ ESTARÃO no bloco, no ar e na caixa, mesmo que você limpe o máximo possível. O cultivador não deve ter medo desses esporos, sendo sua única preocupação a manutenção correta dos parâmetros de cultivo da espécie desejada. Se o bloco colonizado da espécie de cogumelo que você quiser cultivar for colocada num Monotub com os parâmetros corretos de troca de ar e umidade, ele irá se desenvolver de forma perfeita.

Caso o bloco colonizado seja colocado num Monotub com falta de oxigenação, o micélio irá morrer ou ficar fraco, e servirá de comida para as espécies que gostam de níveis elevados de CO2. Basicamente a luta contra contaminações, nessa fase do cultivo, se dá através da manutenção dos parâmetros corretos de cultivo, muito mais do que tentar proteger contra a entrada de esporos. A proteção dos furos é apenas para evitar a entrada de insetos, sem impedir a respiração do sistema.

A umidade da caixa é outro fator a ser considerado. Dependendo da técnica que você irá utilizar no Monotub, a umidade se manterá sozinha graças a própria umidade presente no bloco, e só precisará ser reposta após um fluxo de colheita. Vamos a alguns exemplos:

<  Galeria de fotos  >

Esse tipo de cultivo consiste em fazer o preparo do substrato (mistura, hidratação e pasteurização/esterilização) e adicionar diretamente no fundo da caixa Monotub, misturando o substrato com a “semente” (spawn) do cogumelo desejado. Após alguns dias a “semente” irá colonizar o substrato e formará um bloco sólido e branco, e dali surgirão os cogumelos. Por ter uma massa grande de substrato, a própria umidade do bloco fornece

umidade para a câmara e se mantém nos níveis ideais para o desenvolvimento dos cogumelos. Lembrando, os cogumelos são 90% feitos de água, e o ambiente onde eles estão crescendo deve ser bastante úmido. Existe outra técnica que também utiliza uma caixa no estilo Monotub que se chama PF Tek, onde os blocos de substrato são colonizados dentro de copinhos de vidro ou de plástico, e só depois de colonizados é que são distribuídos dentro da caixa. Nessa técnica os bolinhos não são capazes de fornecer a umidade correta para o sistema por possuírem uma massa bem menor que o blocão da técnica anterior, que preenche todo o fundo da caixa.

Essa técnica PF Tek é mais fácil devido a menor taxa de contaminação, pois a colonização do substrato é feita inteiramente dentro de um pote ou copo fechado. A vedação de um pote de azeitona, copo ou pote plástico é muito superior à vedação de uma caixa organizadora, por isso as taxas de contaminação são menores. Para corrigir a umidade nesse tipo de técnica é possível manter um centímetro de água no fundo da caixa, apoiando os bolinhos em cima de pratos ou tampas, de modo a não encostarem na água. A técnica "PF Tek" pode ser muito fácil

para quem está iniciando no cultivo de cogumelos pois as chances de contaminação são pequenas. Em breve colocaremos um tutorial completo ensinando a usar as nossas culturas líquidas para produzir cogumelos, utilizando um esquema bem simples.

<  Galeria de fotos  >

<  Galeria de fotos  >

Outra forma muito utilizada é o uso de perlita, um tipo de mineral de origem vulcânica muito utilizado na composição de solos no cultivo de plantas “indoor”. Ele é um material muito leve e poroso, e devido a essa característica possui uma grande superfície de contato, o que confere a ele um poder de evaporação muito superior ao filete de água citado anteriormente. Ao usar a perlita úmida no fundo da caixa o nível de umidade se mantém próximo dos 99%.

Esse material pode ser reaproveitado a cada cultivo, precisando apenas ser higienizado com água e cloro por alguns minutos antes de ser lavado apenas com água e devolvido ao fundo da caixa com o próximo lote de cultivo. Depois de montar a caixa Monotub e colonizar o substrato, a mesma deve ser colocada em um local iluminado e com a temperatura correta para o desenvolvimento dos cogumelos da espécie desejada. Existem diversos tipos de gambiarras para ajustar os parâmetros das caixas, como adaptações com umidificadores, lâmpadas, fitas de led, ventoinhas, porém eu particularmente desencorajo qualquer tipo de maluquice dessas.

As caixas, quando são feitas corretamente, com a quantidade de furos corretas, tamanho e localização, funcionam sozinhas, sem a necessidade do emprego de qualquer tipo de tecnologia. A temperatura deve ser ajustada NA SALA onde a caixa se encontra. A seguir segue alguns exemplos de cultivos utilizando câmaras de frutificação utilizando caixas plásticas:

Esse estilo de cultivo permite ao cultivador uma quantidade razoável de cogumelos em pouco espaço, utilizando poucos recursos. A temperatura da sala pode ser ajustada utilizando um aquecedor a óleo ou aquecedor cerâmico, sendo o primeiro o mais econômico para períodos de longa duração, além de não retirar oxigênio do ar. Após o término do cultivo, o cultivador deve higienizar as caixas com detergente e bucha nova, seguido de álcool 70.

<  Galeria de fotos  >

Cultivo em pequena escala (EM BREVE)