Morchella rufobrunnea

Informações gerais

  • Origem

    EUA

  • Linhagem

    FCMR1

  • Substrato

    serragem

  • Clima

    mediano

Os cogumelos do gênero Morchella são muito apreciados em alguns países da Europa, onde são considerados verdadeiras iguarias. Sua aparência é única, e seu chapéu lembra uma colmeia. Na natureza, apresentam-se camuflados na serapilheira, aparecendo somente uma determinada época do ano e em locais específicos. Encontrar Morchellas na natureza desafia até os mais experientes caçadores de cogumelos. Uma vez encontrado, os locais de surgimento das Morchellas são guardados a sete chaves pelas famílias de caçadores de cogumelos.

Sobre

Morchella é um gênero de fungos comestíveis do filo Ascomycota. Graças a sua aparência diferenciada e o seu alto valor culinário, Morchella é um cogumelo muito apreciado por caçadores de cogumelos. Seu sabor é excelente. A espécie Morchella rufobrunnea foi originalmente descrita em Vera Cruz, México, pelo micologista Gastón Guzmán e Fidel Tilapia. A espécie é primariamente sapróbia, porém potencialmente micorizica em alguns locais. Esse tipo de cogumelo normalmente é encontrado debaixo de algumas espécies de árvores, em locais sombreados. No hemisfério norte esses cogumelos aparecem de abril a junho, e são frequentemente encontrados em pomares de macieiras, na base de diversas árvores encontradas nessa região, em solo arenoso com cascalho, em cascas de árvores usadas em paisagismo, em trilhas feitas por tratores para abrir caminho na floresta, em locais de mata que pegaram fogo etc. Algumas espécies de Morchella frutificam em grandes quantidades após incêndios florestais. O fogo elimina os micro-organismos competidores, diminui a concentração de carbono e nitrogênio e aumenta os níveis de cálcio, potássio e sais minerais. Na primavera de 1989, depois de um grande incêndio no parque de Yellowstone no verão anterior, surgiram diversos focos de nascimento de Morchella. Alguns dos maiores cogumelos desse gênero foram encontrados um ano após a grande erupção do Monte Santa Helena.

Método de cultivo

Os esforços feitos até o momento para cultivar esses cogumelos são raramente bem-sucedidos, e por essa razão os cogumelos comercializados são normalmente vindos da coleta da natureza.

A metodologia de cultivo de Morchella é diferente de outros cogumelos. Por muito tempo os cultivadores pensaram ser impossível o cultivo de Morchella, porém algumas empresas dominam o processo de cultivo dessa e de outras espécies desse gênero. O protocolo de cultivo consiste em preparar o a “semente” do jeito tradicional, depois inocular a semente num substrato pobre. Essa mistura, depois de colonizada, é enterrada em um solo rico em nutrientes, mantido sempre úmido até a frutificação. No substrato pobre em nutrientes, o micélio produz esclerótias (massas duras de micélio que servem de reserva nutricional). Quando as esclerótias encontram condições ambientais propícias, elas se desenvolvem nos cogumelos.

A esclerótia é uma região densa de massa celular que surge no interior do bolo de micélio, formando uma bola que lembra uma noz. Elas representam uma reserva de nutrientes e uma forma de preservação perante condições ambientais desfavoráveis, permitindo que a espécie sobreviva a épocas mais secas do ano. Elas podem desidratar completamente, e quando as condições ambientais se tornam favoráveis novamente as células reidratam e volta, a crescer normalmente, produzindo cogumelos ou formando uma nova rede micelial.

Muitas espécies de cogumelos produzem esclerótias, como por exemplo Agrocybe arvalis, Collybia tuberosa, Conocybe cyanopus, Hypholoma tuberosum, Polyporus tuberaster, Polyporus umbellatus, Pleurotus tuberregium, Poria cocos, Psilocybe mexicana, Psilocybe tampanensis e muitos outras espécies. As espécies que produzem esclerótias são espécies que habitam o solo. As esclerótias podem ter características diferentes, dependendo da espécie. Podem ser pegajosas ou ásperas, pequenas como uma noz ou grandes como uma bola de tênis, densas ou leves, brancas, alaranjadas ou escuras. Algumas espécies produzem dezenas de esclerótias por metro quadrado, outras espécies podem produzir poucas unidades.

Parâmetros de cultivo

Colonização

  • Temperatura

    19-22 graus

  • Umidade relativa

    95-100 %

  • Duração

    15 a 30 dias

  • Co2

    <10000 ppm

  • Trocas de ar

  • Iluminação

    Não

Indução da frutificação

  • Temperatura

    18-21 graus

  • Umidade relativa

    95-100 %

  • Duração

    14 dias

  • Co2

    <1000 ppm

  • Trocas de ar

  • Iluminação

    Não

Desenvolvimento dos cogumelos

  • Temperatura

    21-23 graus

  • Umidade relativa

    95-100 %

  • Duração

    5 a 8 dias

  • Co2

    <900 ppm

  • Trocas de ar

  • Iluminação

    500-2000

Advertências

A coleta desse cogumelo na natureza deve ser feita de forma cautelosa. Os cogumelos das espécies de Morchella têm uma aparência altamente polimórfica, exibindo variações na forma, cor e tamanho. Por essa razão, é muito difícil a distinção entre as várias espécies, e pode ser confundida com outras variedades tóxicas, como o Gyromitra esculenta, Verpa bohemica e outros.

Quer cultivar?

Compra da cultura

  • Data

    de 20-05 a 20-06

  • Pagamento

    Até 3x no crédito

  • Valor

    R$35

Esta espécie está a venda na forma de cultura líquida (pronta entrega) ou cultura pura (sob encomenda).

Antes de comprar, recomendamos que você consulte a página informativa da espécie para saber mais sobre os parâmetros de cultivo e os usos.

Comprar