APRENDA A CULTIVAR COGUMELOS: COLETA DE ESPOROS

Como vimos anteriormente, esporos são os propágulos do fungo. São eles que saem dos cogumelos e viajam longas distâncias com o vento até cair em um substrato adequado, dando origem a outra colônia do fungo. Ao coletar esses esporos, podemos introduzi-los dentro de um recipiente contendo substrato e iniciar um cultivo. Normalmente os cultivadores não usam esporos para cultivar cogumelos devido a alta variabilidade genética. Cada par de esporos irá gerar um indivíduo diferente. Isso significa que dentro de um mesmo bloco colonizado por esporos de um determinado fungo existem centenas de indivíduos geneticamente distintos (cepas) disputando por espaço. Alguns deles vão produzir cogumelos mais cedo, outros depois, uns serão de cor clara, outros mais escuros, dentre outras diferenças fenotípicas. Essa variabilidade é ruim para o produtor devido a  inconstância da produção, e é por isso que normalmente os laboratórios que produzem a semente optam por utilizar matrizes geneticamente isoladas, ou seja, clones genéticos de indivíduos com as características desejadas. 

Para coletar esporos de um cogumelo, basta separar o chapéu da haste e colocá-lo em uma superfície limpa com álcool 70, como um quadrado de papel alumínio ou placa de petri estéril, com as lamelas viradas para baixo. Caso o chapéu esteja muito seco, adicione duas gotas de água na parte de cima do chapéu para ajudar na liberação dos esporos. Para evitar correntes de ar, que trazem consigo esporos de outros micro-organismos, um copo é colocado em cima do chapéu, protegendo a coleta de esporos. Após algumas horas ocorrerá um depósito dos esporos na superfície do papel alumínio, que acompanha a simetria radial das lamelas. Essa deposição de esporos em uma superfície é chamada de carimbo de esporos. O processo de coleta de esporos deve ser feito com atenção pois qualquer objeto sujo que toque as lamelas ou o local de deposição dos esporos, bem como correntes de ar podem acarretar em contaminações futuras. O ideal é utilizar luvas para evitar contaminação vinda das mãos e pinças limpas para manipular o chapéu. Após a conclusão, o papel alumínio é dobrado, nomeado, datado e armazenado em um recipiente hermético. Esporos de cogumelos podem ser armazenados por anos com pouca perda de viabilidade.

Muitos cogumelos possuem uma estrutura chamada de véu, que consiste em uma fina película que vai da haste do cogumelo até as bordas do chapéu, protegendo as lamelas. O véu sela as lamelas de forma que a parte interna se torna livre de contaminações esternas até sua abertura, que ocorre na maturação do cogumelo a medida que ele cresce. Ao escolher um cogumelo saudável e jovem, com o véu intacto, removendo-o com cuidado do local de crescimento e colocando-o em um local limpo, é possível obter esporos livres de contaminações. 

GERMINAÇÃO DE ESPOROS

Uma vez que o carimbo de esporos é coletado, é possível obter uma cultura de cogumelos. Lembrando que a utilização de esporos para o cultivo de cogumelos é limitada, dada a inconstância da produtividade e variações nas características do cogumelo, fatores indesejados para produções comerciais. Para produzir de forma constante e homogênea é necessário utilizar uma cultura isolada com características conhecidas (ver tópico "clonagem de um cogumelo"). Existem algumas formas para se obter uma cultura feita com esporos, todas elas consistem em transferir os esporos de maneira asséptica para um substrato e fornecer condições para que os mesmos germinem e cresçam. Esse substrato pode ser, por exemplo, meio de cultura laboratorial (no caso de germinação em placas de petri) ou até mesmo o substrato final de frutificação, como mostrado na figura abaixo: 

Quando os esporos são produzidos pelos cogumelos, eles são úmidos e possuem alta taxa de germinação. Conforme o tempo passa eles desidratam, o que torna a germinação mais difícil. Uma das maneiras de facilitar a germinação dos esporos é mergulha-los na água estéril para que eles absorvam umidade. Depois de algumas horas eles estarão prontos para serem transferidos para o substrato. Uma das maneiras de fazer essa transferência é através da confecção de uma seringa de esporos.

A seringa de esporos é uma seringa contendo água estéril e esporos do cogumelo desejado. Para se fazer uma seringa de esporos basta raspar um carimbo de esporos usando um bisturi previamente flambado numa chama de uma lamparina a álcool ou bico de bunsen. Os esporos devem ser depositados em um frasco estéril, como por exemplo um pote de coleta para exames (vendido em farmácias), ou um frasco de conserva de vidro aquecido no forno a 200 graus por 20 minutos. A água utilizada também deve ser estéril, a mesma pode ser comprada ou esterilizada em panela de pressão ou autoclave. Após a mistura, o líquido é sugado para dentro de uma seringa nova e estéril, armazenado por 24 horas e então, após a hidratação dos esporos, já pode ser usado.

 

A seringa de esporos ideal não é aquela com cor escura, resultado de uma concentração muito grande de esporos. Isso é um erro muito comum difundido entre os vendedores de carimbos e seringas de esporos, que acreditam que quanto mais "forte" e concentrado o carimbo ou a seringa, melhor será o cultivo. Pelo contrário, quando existe uma concentração muito grande de esporos no carimbo as chances de se formar uma colônia de bactérias e fungos é muito maior. Um carimbo de esporos não pode ser muito forte nem demorar muito para ser feito. Bactérias possuem capacidade de replicação muito superior a dos fungos, por isso manter um chapéu muito tempo "carimbando" cria um ambiente úmido e cheio de matéria orgânica, um prato cheio para proliferação de bactérias. Além disso quanto maior a área do carimbo raspada, maior a chance de se arratar uma contaminação para a etapa seguinte. Algumas delas não se manifestam no início do cultivo, porém mais tarde o cultivador terá problemas. Uma vez feita, pode ser armazenada por alguns meses na geladeira sem grandes problemas, sendo que em alguns casos os esporos podem germinar no líquido (isso não causa problemas e pode ser usada mesmo assim). A seringa de esporos pode ser usada para inocular o substrato final, em algumas espécies de cogumelos, dando origem a cogumelos (pequena escala de produção, hobby, etc) ou pode ser usada para inocular placas de petri contendo meio de cultura.

 

O processo adequado para iniciar um cultivo de cogumelos é através da germinação de esporos em meio de cultura ou clonagem de um cogumelo em meio de cultura. De toda forma é necessário passar pelos processos envolvendo a fabricação e manipulação do meio de cultura, e para isso dedicaremos o próximo tópico do nosso tutorial.