APRENDA A CULTIVAR COGUMELOS: CICLO DE VIDA

Para aprender a cultivar cogumelos precisamos ter um conhecimento prévio sobre o seu ciclo de vida na natureza, algo que considero fundamental para cultivadores iniciantes. Digo isso pois durante o cultivo de cogumelos o cultivador precisa "enganar" o fungo, simulando todas as condições que ele encontraria na natureza. Ao invés de um tronco morto de árvore como comida, daremos ao fungo serragem ou palha, que tem uma composição semelhante ao seu substrato natural (lignina, celulose, etc). Ao invés de sombra e ar fresco debaixo de uma árvore, daremos uma estufa climatizada simulando as condições de um bosque úmido e ventilado. Não existe melhor estudo para um cultivador iniciante do que ler bastante e tentar cultivar. É colocando a mão na massa que o cultivador aprende os segredos do cultivo e desenvolve a própria técnica adaptada para a sua realidade, equipamentos e estrutura. Aqui no nosso site você encontra culturas de diversas espécies de fungos para você iniciar seus estudos sobre cultivo de cogumelos comestíveis e medicinais.

Cogumelo é o nome dado à estrutura reprodutiva de alguns fungos dos filos Basidiomycota e Ascomycota, e é responsável pela produção dos esporos, que são as unidades dispersoras dos fungos. Os esporos são carregados pelo vento até locais mais distantes, onde vão cair, germinar e gerar outra colônia do fungo. Quando o fungo coloniza uma quantidade suficiente de substrato e é exposto às condições ideais de luminosidade, temperatura e umidade, cogumelos começam a se formar.

Conforme o cogumelo vai crescendo e abrindo, o véu que protege a parte de baixo do chapéu se rompe, expondo as lamelas. É na lamela que os esporos são produzidos e liberados, completando o ciclo de vida do fungo. Um pequeno cogumelo pode produzir mais de um milhão de esporos, que podem ser carregados pelo vento por muitos quilômetros. Quando um esporo cai em um local com as condições apropriadas, ele germina e dá origem ao micélio primário. 

Quando o micélio primário originado de dois esporos diferentes se encontram, eles se fundem e dão origem ao micélio secundário. Esse micélio continua a crescer e se desenvolver até que se torne maduro o suficiente para produzir cogumelos, desde que as condições climáticas sejam favoráveis. A produção dos cogumelos pelo fungo representa a terceira e última etapa do ciclo de vida desses fungos.

Cada espécie de cogumelo possui suas peculiaridades no cultivo, e por mais que o cultivador estude diversos materiais a respeito da espécie em questão, apenas com a "mão na massa" é que o cultivador aprenderá de fato. 

Então o cultivo de cogumelos começa com a germinação dos esporos? 

Não necessariamente. Conforme explicado acima, quando dois esporos compatíveis se fundem, formam um micélio com dois núcleos, capaz de produzir os cogumelos. Cada cruzamento entre dois esporos formam indivíduos geneticamente distintos, e cada um deles exibirá características únicas. Apesar da espécie ser a mesma, cada indivíduo possui uma carga genética diferente, resultando em algumas características diferentes. Por exemplo, todos os cães pertencem a mesma espécie, Canis lupus familiaris, porém existem diferentes raças de cachorros e podemos notar claramente a diferença entre elas. Com os cogumelos acontecem a mesma coisa, e apesar dos esporos de um cogumelo vierem de uma mesma espécie, os indivíduos que eles gerarão serão geneticamente distintos uns dos outros, gerando diferenças no cultivo e na aparência. Chamamos cada indivíduo isolado de cepa. Algumas cepas vão gerar cogumelos com tonalidades mais claras, outras mais escuros. Uns nascerão maiores, outros menores. Alguns gostam mais do frio, outros do calor. 

Por isso utilizar esporos para o cultivo de cogumelos em escala comercial não é uma boa ideia, pois a variabilidade genética é muito grande e jamais saberemos se a produção será um sucesso ou não. O uso de esporos se limita a busca de novas cepas pelo cultivador e jamais deverá ser usado em uma produção em escala comercial. O mais indicado, nesse caso, é utilizar micélio isolado, ou seja, indivíduos geneticamente únicos, culturas puras, cepas com parâmetros de desenvolvimento e produtividade conhecidos, podendo ser via "semente" (spawn), cultura líquida, bloco colonizado, etc.

Para isso devemos adquirir a cultura com algum laboratório especializado, como na nossa loja, por exemplo, ou clonar um cogumelo de supermercado, extraindo um pedaço do interior do cogumelo e cultivando-o em meio de cultivo (ensinaremos nos próximos tópicos).